Menu
Busca quinta, 22 de agosto de 2019
(37) 99964-0995
Farmamed novo
Distrito Federal

Laudo da polícia aponta que menino foi decapitado vivo pela mãe e madrasta

12 junho 2019 - 16h19Por Estado de Minas

A Polícia Civil do Distrito Federal afirmou, nesta terça-feira (11), que o menino Rhuan Maicon da Silva Castro, de nove anos, foi decapitado ainda vivo e teve a pele do rosto removida. A criança foi morta e esquartejada pela própria mãe, Rosana Auri da Silva Cândido, 27, e pela madrasta, Kacyla Priscyla Santiago Damasceno, 28, em 31 de maio, em Samambaia, no Distrito Federal.

Ao todo, o menino foi esfaqueado 12 vezes pela mãe. “Enquanto dormia, ele foi surpreendido por uma facada no peito. Em seguida, Kacyla o segurou pelos ombros e Rosana deu mais 11 golpes de faca no tórax dele,” explicou o delegado.  

Ainda de acordo com a polícia, além do crime de homicídio qualificado, as suspeitas responderão por lesão corporal grave, tortura, ocultação de cadáver e por alterar a cena do crime. Somadas, as penas máximas podem chegar a 57 anos. 

Além disso, elas teriam comprado um martelo para triturar os ossos do garoto e facilitar o descarte. Os órgãos e a pele seriam cozidos e jogados em um vaso sanitário. No entanto, por causa da fumaça, decidiram distribuir os restos mortais em duas malas e uma mochila, que seriam descartadas na rua. 

Após viagem ao Rio Branco (AC), cidade natal da família, na última semana, o delegado à frente do caso, Guilherme Sousa Melo, conseguiu indícios para enquadrar as acusadas em outros crimes. “Nosso objetivo é fazer com que elas cumpram a maior pena possível”, frisou. 

As suspeitas responderão por lesão corporal grave e tortura por terem removido o pênis de Rhuan há cerca de dois anos. “O ato já configura lesão corporal. Porém, como o procedimento causava dor ao garoto e uma série de outros problemas, também pode ser configurado como tortura”, ressaltou. 

Como ambas tentaram esconder o corpo do menino e limparam a cena do crime com água sanitária, também serão acusadas de ocultação de cadáver e fraude processual. 

Barbárie

Rosana e Kacyla assassinaram Rhuan no fim da noite de uma sexta-feira. O garoto estava dormindo quando recebeu diversos golpes de faca. Em seguida, ele teve o rosto desfigurado, foi decapitado e esquartejado. As mulheres ainda tentaram queimar a carne dele em uma churrasqueira, para poder descartá-la em um vaso sanitário. No entanto, pararam por causa da grande quantidade de fumaça. 

Elas distribuíram as partes do corpo do menino em uma mala e duas mochilas escolares. Rosana jogou um dos itens em um bueiro de Samambaia, mas foi vista por pessoas que estavam na rua. Curiosos abriram o objeto e encontraram o corpo. A Polícia Civil foi acionada e prendeu o casal na residência.

Os investigadores não descartam a possibilidade de que as acusadas fariam o mesmo com a garota filha de Kacyla, que estava dormindo quando os agentes chegaram. 

Publicidade

Deixe seu Comentário

AGROCAMPO
BIG NUNES

Leia Também

Minas Gerais
Queimadas em Minas aumentam 31% em 2019, em comparação com 2018
Uberaba
Procon Uberaba instala unidades em núcleos jurídicos das universidades
Brasil
Produção de etanol deve bater novo recorde na safra deste ano
Minas Gerais
Turma reconhece assédio moral de chefe que destratava empregada, exigia dela massagens e exibia vídeos pornográficos
Justiça
Senacom investiga coleta de dados de geolocalização pelo Google
Patos de Minas
Dono flagra ladrão trafegando em moto furtada quando seguia para registrar ocorrência
Alto Paranaíba
PC de Ibiá prende homem em Rio Paranaíba; ele é suspeito de vários furtos de gado no Alto Paranaíba
São Gotardo
Romeu Zema participa da abertura da 8ª Fenacampo, em São Gotardo
Muriaé
Garotinha de 3 anos morre vítima de meningite na Zona da Mata
Tapiraí
PM prende fazendeiro com armas após ameaças a funcionário na região do Borrachudo, município de Tapiraí