Menu
Busca quinta, 18 de julho de 2019
(37) 99964-0995
Farmamed novo
Geral

Supremo retoma julgamento sobre criminalização da homofobia

14 fevereiro 2019 - 07h55Por Agência Brasil

O Supremo Tribunal Federal (STF) marcou para hoje (14), a partir das 14h, a conclusão do julgamento da ação protocolada pelo PPS para criminalizar a homofobia, caracterizada pelo preconceito contra o público LGBT (lésbicas, gays, bissexuais, transexuais e travestis).

A possibilidade de criminalização da homofobia é debatida na ação direta de inconstitucionalidade por omissão (ADO) nº 26, sob a relatoria do ministro Celso de Mello, e tramita no STF desde 2013. 

Os ministros devem definir se o Supremo pode criar regras temporárias para punir agressores do público LGBT, devido à falta de aprovação da matéria no Congresso Nacional.

No entendimento do PPS, a minoria LGBT deve ser incluída no conceito de "raça social" e os agressores punidos na forma do crime de racismo, cuja conduta é inafiançável e imprescritível. A pena varia entre um a cinco anos de reclusão, conforme a conduta.

Sustentações orais

A sessão de ontem (13) foi dedicada às sustentações orais das partes contrária e a favor do tema. O primeiro advogado a sustentar foi Paulo Roberto Iotti Vechiatti, representante do PPS. Segundo ele, existe uma omissão do Congresso brasileiro em criminalizar os casos de agressões contra homossexuais.

Para o advogado, a Constituição exige a criminalização de todas as formas de racismo ou de discriminação atentatória a direitos e liberdades fundamentais. 

Em seguida, o advogado-geral da União (AGU), André Mendonça, reprovou qualquer tipo de conduta ilícita contra a liberdade de orientação sexual, mas entendeu que o Judiciário não tem poderes legais para legislar sobre matéria penal, somente o Congresso.

O advogado Tiago Gomes Viana, representante do Grupo Gay da Bahia, disse que a criminalização da homofobia pelo STF é necessária porque todos os projetos favoráveis à comunidade LGBT que começam a tramitar no Congresso sofrem resistências  por integrantes da bancada evangélica. 

Representante da Associação Nacional de Juristas Evangélicos (Anajure), o advogado Luigi Mateus Braga, defendeu que o Congresso tenha a palavra final sobre o caso. Braga disse que a comunidade LGBT deve ter seus direitos protegidos, mas é preciso assegurar que religiosos não sejam punidos por pregaram os textos bíblicos.

Durante as manifestações, o vice-procurador da República, Luciano Mariz Maia, entendeu que a homofobia é um processo de desumanização do outro e pode ser enquadrada como uma forma de racismo.

Publicidade

Deixe seu Comentário

Agro KZ
BIG NUNES

Leia Também

Minas Gerais
Homem se mata após assassinar mulher enquanto filha dormia
Geral
Motorista avança em manifestação e mata trabalhador rural
Atropelamento ocorreu em Valinhos, no interior paulista
Minas Gerais
Jovem morre após carro sair de pista e capotar na BR-262
Geral
ANNT abre audiência pública sobre concessão das rodovias BR-262/381 em Minas Gerais e Espírito Santo
Geral
Triunfo Concebra repassa mais de R$ 9 milhões de ISSQN para as cidades lindeiras
Condenado
El Chapo, narcotraficante mexicano, é condenado à prisão perpétua
Brasil
Instagram vai esconder número de curtidas nas fotos de usuários brasileiros
Minas Gerais
Minas tem a menor taxa de crimes violentos desde 2012
Uberaba
Carro com família capota na BR-050, em Uberaba
Rio Paranaíba
Motorista fica ferido após veículo capotar na BR-354, em Rio Paranaíba