Menu
Busca quarta, 19 de junho de 2019
(37) 99964-0995
Farmamed novo
Formiga

Advogada é presa pela PF por suspeita de fraude em auxílio-reclusão, em Formiga

Levantamentos preliminares do INSS demonstram que houve um prejuízo de mais de um milhão e quatrocentos mil reais.

17 abril 2019 - 08h12Por Marcelo The Back - Jornalista - MTB: 0020754/MG

A Polícia Federal deflagrou, na manhã dessa terça-feira (16), a Operação “Papillon”, para combater fraudes ao benefício de auxílio reclusão, na cidade de Formiga/MG.

Foram cumpridos quatro mandados judiciais de busca e apreensão e um de prisão preventiva; todos expedidos pela Justiça Federal de Divinópolis. Os cumprimentos de mandados judiciais de busca e apreensão ocorreram em endereços ligados à advogada investigada na operação.

As investigações tiveram início em 8 de março deste ano, após o INSS descobrir indícios de fraudes ao benefício de auxílio reclusão na cidade de Formiga. De acordo com o Instituto, uma advogada teria protocolado e recebido vários benefícios previdenciários de auxílio reclusão indevidos.

Instaurado o inquérito policial, foi possível concluir que a advogada teria instruído pelo menos 20 processos de auxílio reclusão com documentos falsos, como certidões de nascimento e atestados carcerários.

Após análise da documentação que instruía os procedimentos, foi constatado que a advogada apresentava atestados carcerários com datas alteradas e com indicação de que o recluso instituidor do benefício ainda se encontrava preso, quando, na verdade, já havia deixado a prisão.

Em outro benefício, o instituidor sequer tinha sido preso, mas foi apresentado um atestado carcerário para instruir o pedido de benefício. A advogada “inventava” dependentes de presos, apresentando certidões de nascimento falsificadas e se cadastrava como procuradora para receber os benefícios, passando a sacar os valores no banco após o deferimento pelo INSS. Para isso, além de utilizar documentos falsos, a advogada cadastrava seus próprios familiares como representantes legais de dependentes dos presos. Várias das certidões falsas apresentadas ao INSS eram autenticadas de próprio punho pela advogada, como se o documento fosse original.

Levantamentos preliminares do INSS demonstram que houve um prejuízo de mais de um milhão e quatrocentos mil reais, relativos apenas aos benefícios já identificados. Segundo as investigações, até o presente momento, os presos não tinham conhecimento da fraude e sequer sabiam o que estava acontecendo.

A advogada foi encaminhada ao presídio Floramar, em Divinópolis, onde ficará à disposição da Justiça Federal. Ela responderá pelos crimes de estelionato contra o INSS, falsificação e uso de documentos falsos, além de outros crimes que poderão ser identificados no decorrer das investigações.

Fonte: Comunicação Social da Polícia Federal em Divinópolis

Publicidade

Deixe seu Comentário

BIG NUNES
CASA DE CARNES RESENDE

Leia Também

Economia
Aneel aprova reajuste de energia para estados de Minas, Rio e Paraná
Economia
Plano Safra terá R$ 225,59 bilhões em créditos para agricultores
Campos Altos
Campos Altos: falecimento ocorrido nessa segunda (17)
Geral
Mega-Sena sorteia nesta quarta-feira prêmio de R$ 125 milhões
Minas Gerais
Jovem é estuprada dentro do próprio prédio quando conferia caixa de correio em espaço comum
Saúde
Imunoterapia será principal droga contra câncer, diz Nobel de Medicina
Bambuí
Homem fica ferido após bater caminhonete em árvore na LMG-827, em Bambuí
Campos Altos
Primeira corrida feminina da história de Campos Altos tem participação de quase 50 competidoras
Brasil
Brasil registra queda de 23% no número de homicídios no primeiro bimestre de 2019
Araxá
Festival Literário de Araxá começa nesta quarta